Tem dúvidas de como deve organizar a alimentação em casa?
Este é um espaço virtual focado na qualidade alimentar que a família deve praticar em casa, nas compras, na creche, na escola, no trabalho.
Aqui encontrará excelentes conselhos de Nutrição e também de Segurança Alimentar a seguir pelo consumidor para si e sobretudo para as suas crianças!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

A Alimentação da Grávida no 2º e 3º Trimestres


Cá está o 2º artigo sobre a Alimentação na Gravidez, novamente escrito pela Nutricionista, e amiga, Dra. Cidália Almeida, desta vez para os estágios subsequentes de gestação. Não deixe de ler o 1º Artigo sobre este assunto:


Aproveito para agradecer a forte disseminação que se verificou no 1º artigo publicado e esperar, de igual modo, que este tenha impacto semelhante...Obrigada!

Alimentação da Grávida durante o 2.º e 3.º trimestres de Gestação

Energia/calorias
Neste momento da gravidez, o feto atinge um crescimento mais acentuado o que implica maiores exigências energéticas para a mãe. Deste modo, durante e o 2.º e 3.º trimestres são necessárias cerca de 340 Kcal e 450Kcal diárias adicionais, respectivamente, para satisfazer as maiores necessidades energéticas. Este valor é bem menor do que muitas vezes se pensa e equivale, aproximadamente, a mais um pão, 1 copo de leite, 60g de carne/peixe e 2 peças de fruta, por exemplo, ao longo do dia. Portanto, a maioria das mulheres faz este incremento energético assim que reconhece estar grávida. Noutros casos ainda, a ingestão energética habitual da mulher, ultrapassa em larga escala este pequeno aumento necessário durante o 2.º e 3.º trimestres de gravidez.

Que alterações deverá fazer na sua alimentação?
Em relação aos macronutrientes (nutrientes que necessitamos em maior quantidade) existe uma necessidade acrescida sobretudo de proteínas, que são fornecidas principalmente pele carne, peixe, ovos, leite e derivados. As maiores exigências podem ser satisfeitas com mais duas chávenas de leite ao longo do dia e 30g de carne/peixe ou com mais uma chávena de leite e 60 g de carne ou peixe. No grupo dos hidratos de carbono (pão, arroz, massa…) e gorduras (azeite, manteiga, óleos…) as necessidades mantêm-se sensivelmente constantes. No primeiro grupo, devem privilegiar-se os cereais menos refinados, mais escuros, pois são boas fontes de vitaminas e minerais. Quanto às gorduras, deve dar especialmente atenção àquelas presentes no azeite e no peixe como o salmão ou a sardinha, por exemplo, pois são ricas em ácidos gordos “ómega 3” muito importantes para o desenvolvimento cerebral do feto. Relativamente às vitaminas e minerais as maiores necessidades de alguns podem ser supridas com uma alimentação variada e saudável, que inclua abundância de hortícolas, frutos e cereais (pão, massa, arroz) integrais. A excepção poderá ser o ferro, pelo volume sanguíneo aumentado e pela maior produção de glóbulos vermelhos exigida neste período. A suplementação, neste caso, pode ser necessária. O seu médico decidirá.

Água
Deverá ser a sua bebida de eleição. Para satisfazer as necessidades diárias são necessários cerca de 2 L (8-10 copos) de água, principalmente fora das refeições.

Álcool e cafeína
As bebidas alcoólicas estão contra-indicadas durante a gravidez. O seu consumo, sobretudo nos primeiros meses de gravidez pode ocasionar aborto espontâneo, pelo que é completamente desaconselhado. Pode ainda ser responsável pelo nascimento de crianças com baixo peso e comprimento e um atraso no crescimento físico e intelectual.
Relativamente às bebidas com cafeína, consumos moderados não estão relacionados com efeitos adversos sobre o feto. Recomenda-se uma ingestão de cafeína inferior a 300 mg/dia, cerca de 2 cafés por dia. Atenção à presença de cafeína não apenas no café mas em bebidas refrigerantes, chás, bebidas energéticas, chocolates…

Segurança alimentar
Os alimentos fornecem os nutrientes e a energia indispensável ao corpo humano. Contudo, quando mal manipulados podem ser veículo de transmissão de inúmeras doenças, com consequências mais graves especialmente durante a gravidez. Eis alguns alimentos a evitar:
§ Patês
§ Queijos com leveduras (Camembert, Brie, Roquefort…)
§ Leite e queijo não pasteurizados
§ Maionese preparada em casa (ovos crus)
§ Refeições pré-cozinhadas que não necessitam de reaquecimento (tartes de carne, quiches, saladas…)
§ Água não potável
§ Espadim, peixe-espada, cavala (acumulam mercúrio)

Resumindo…
Durante o 2.º e 3.º trimestres deverá aumentar a sua ingestão energética, procurando consumir mais fruta e hortícolas, ricos em vitaminas e minerais, leite e/ou derivados (750ml diários) boas fontes proteicas e ricos em cálcio, carne e peixe (30 a 60g diários) que para além de proteínas fornecem ferro. Para completar os cuidados alimentares não se esqueça que uma correcta hidratação é fundamental. Faça da água a sua bebida de eleição.
Deixo ainda este vídeo, certa que complementará a informação facultada e ajudará a futura mamã a cuidar a sua alimentação. Em caso de dúvidas, deve consultar sempre o seu médico assistente.



Próximo artigo: Diabetes gestacional

Cidália Almeida
Nutricionista
Image Hosted by ImageShack.us

Leia também estes artigos:
Da autora:
Preparar a gravidez…
Alimentação durante os primeiros meses de gravidez
A Alimentação no 2º e 3º trimestre da gravidez
Bebidas durante a gravidez
Segurança alimentar na gravidez

De BabySol:

A Alimentação da Grávida no 1º Trimestre de Gestação
Alimentação na Gravidez

Peixe na Gravidez

O que diz o Sr. Doutor - Alimentação da Grávida
O consumo de adoçantes...

Listeriose - Recomendações

Que cuidados a ter na alimentação da grávida - Brochura em espanhol aqui.
As exigências em ácido fólico - Brochura em inglês aqui.

Qual a sua experiência neste domínio? Deixe o seu comentário...


Sigam BabySol® nas Redes Sociais:



Email

Receba as actualizações do Portal BabySOL®:

Introduza o seu email:


Sem comentários:

Enviar um comentário

Comente este Blog.
A sua participação irá enriquecê-lo e promover novos conteúdos. Obrigada e...fique por perto!