Tem dúvidas de como deve organizar a alimentação em casa?
Este é um espaço virtual focado na qualidade alimentar que a família deve praticar em casa, nas compras, na creche, na escola, no trabalho.
Aqui encontrará excelentes conselhos de Nutrição e também de Segurança Alimentar a seguir pelo consumidor para si e sobretudo para as suas crianças!

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Qual o melhor leite para o meu Bebé?



O primeiro ano de vida do Bebé representa o período de vida em que o consumo de leite tem um papel extremamente relevante na sua alimentação face à acelerada taxa de crescimento que testemunha e que assegura uma boa formação dos ossos e dos dentes que exibirá para além de ser uma fonte de proteína, de excelência, importante para estruturar a formação do corpo em desenvolvimento acelerado.

Por outro lado, a imaturidade do sistema digestivo em desenvolvimento condiciona que a ingestão de alimentos sólidos seja feita de modo gradual, razão pela qual os alimentos líquidos, e no caso particular do leite, adquirem merecida importância nestas etapas.

Logo a seguir ao nascimento, o leite materno é a opção ideal para o Bebé, sempre. Contudo, a partir dos 6 meses de idade, e segundo a Organização Mundial de Saúde, o leite pode deixar de assegurar as necessidades energéticas do pequeno ser, razão pela qual chega o momento de o complementar com outros alimentos, como a sopa e a fruta. A progenitora deve pois ter o cuidado de preservar a continuidade da amamentação pois este processo, que confere especial imunidade ao Bebé, continuará a ter destaque na sua alimentação. Oferecer o peito antes da restante alimentação sempre que a mamã esteja disponível, na presença do Bebé ou pela prévia extração do seu leite, continuará a assegurar a quantidade de produção do leite materno mas também a sua qualidade nutricional assegurando assim a exigência alimentar do Bebé. Se amamenta o seu filho, tenha presente que a alimentação complementar irá complementar a amamentação e nunca o contrário!

Por várias razões, de ordem clínica, social ou comportamental, existem casos em que a amamentação é descontinuada. Nesse caso, os leites de fórmula tomam lugar na dieta infantil e, tratando-se de leites de produção sintética produzidos a partir de leite de vaca, podem oferecer, por vezes, reações desfavoráveis ao Bebé como alergias, intolerâncias, problemas intestinais (ex. excesso de flatulência, obstipação, cólicas, etc.), irritabilidade, perturbação do sono, etc. Ainda assim, e encontrado o leite de fórmula que melhor se coaduna com o metabolismo do seu Bebé, o ideal é que se preserve a sua ingestão até aos 3 anos de idade, respeitando-se a opinião pediátrica e a adaptação nutricional das Etapas 1, 2 e 3 destes produtos e consistente com as necessidades energéticas das primeiras faixas etárias. Esta recomendação requer contudo um significativo investimento financeiro face ao elevado custo que estes produtos exigem e nem sempre ao alcance das famílias. Nesse sentido, o pediatra do Bebé avaliará esta situação e poderá recomendar o leite de vaca logo a partir dos 12 meses. Se a criança tiver reportado algum tipo de suscetibilidade alimentar, ou for descendente de pais com histórico alérgico, os leites de origem vegetal podem, nesta altura, ser focados na consulta médica. Saiba, contudo, que a biodisponibilidade do cálcio em leites vegetais é menor do que no leite de vaca, razão pela qual vale a pena reforçar a alimentação da criança com outros alimentos ricos neste mineral.

A introdução do leite de vaca pode ser realizada através da ingestão do leite, no seu estado natural, ou através dos iogurtes convencionais. No caso particular de uma criança que tenha até então sido amamentada, a introdução do leite de vaca deve ser muito mais cuidadosa tendo em conta que não ocorreu um processo prévio de adaptação que os leites de fórmula (leite de vaca hidrolisado) promovem no sistema digestivo do Bebé. O leite de vaca gordo apresenta maior riqueza nas vitaminas A e E que promovem o desenvolvimento do sistema nervoso central razão pela qual, se não existir sobrepeso ou obesidade infantil, representam a melhor opção na dieta infantil que o médico assistente indicará.
No que diz respeito aos leites de origem vegetal, as variedades de soja, amêndoa, aveia e millet são opções muito interessantes sendo que, no caso particular dos produtos de soja, estes devem ser oferecidos à criança com parcimónia, e alternando com outras variedades vegetais, dado que a sua riqueza em fitoestrogénios compromete o adequado funcionamento do sistema hormonal do Bebé podendo induzir uma menor taxa de crescimento e, no caso de rapazes, desajustar até o desenvolvimento do seu sistema reprodutor.

Por último, salvaguarda-se que a ingestão dos leites de crescimento comerciais, com incorporação de açúcar ou mel, e acrescido aporte vitamínico, representam apenas uma opção a considerar na existência de um plano alimentar desiquilibrado ou uma comprometida ingestão de cálcio. Nestes casos, recomenda-se não só a ingestão de outros alimentos ricos em cálcio (ex. legumes folha verde escura, bróculo, etc.) mas principalmente pela substituição gradual deste leite enriquecido pelo leite convencional. Esta situação poderá ser ajustada ao longo do tempo se se diluir o leite enriquecido numa parte de leite convencional e se ao longo do tempo se for oferecendo menor quantidade de leite enriquecido e maior quantidade de leite convencional, num mesmo biberão, até o Bebé estar habituado.

Em qualquer dos leites citados (materno, fórmula, de vaca, vegetais, enriquecidos comerciais) não é recomendada a adição de açúcar, mel, café, chocolate ou outros ingredientes que promovam o seu sabor, que além de afinarem precocemente o interesse infantil pelo sabor doce promovem também uma inadequada educação alimentar dado comprometer o sabor natural que o leite deve oferecer.

E como costumo dizer…Espero ter ajudado :-)

Os seus comentários são sempre benvindos. É a sua reflexão que permite melhorar a intervenção BabySOL... fique por perto!

Consultora em Segurança Alimentar e Nutrição do Consumidor

Receba as actualizações do Portal BabySOL®:


Introduza o seu email:


2 comentários:

  1. Mais uma vez, adorei ler as suas recomendações! Sempre muito claras e realistas. obrigada!

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Dra. Solange! Acompanho o seu blog e inclusivo recomendo-o às mães que chegam até mim (sou enfermeira, já temos trocado uns mails:)). Não sei se conhece a IBFAN mas permita-lhe que lhe peça um comentário sobre o seguinte texto relativo a leites de transição: http://www.ibfanportugal.org/#!leites-de-transio/c1jd6 Obrigada e continuação de bom trabalho!

    ResponderEliminar

Comente este Blog.
A sua participação irá enriquecê-lo e promover novos conteúdos. Obrigada e...fique por perto!